Qual a diferença entre assédio e paquera?

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher o portal Barbearia Digital toca na ferida e esclarece os limites para você não transformar a paquera em crime

Comportamento
Data: 14 de março de 2017
arte barbearia digital -22

Rio de Janeiro. Carnaval de 2017. Dentro de um dos camarotes mais famosos do Brasil, daqueles que concentram uma legião de mulheres bonitas, um ato [ou seria crime?] movimentou a imprensa.

 

A apresentadora Ticiane Pinheiro procurou a atriz Luana Piovani e relatou ter sido “assediada” dentro do camarote. “Ele estava louco por mim. Louco para me beijar”, narrava a apresentadora. O caso, porém, tornou-se público após ser divulgado por um jornalista que escutou a conversa.

 

Outra situação com famosos também se tornou pública, sobretudo, por ter acontecido em frente às câmeras. Você lembra do caso envolvendo o MC Biel que, em 2016, foi acusado de assediar uma repórter durante entrevista? Na época a jornalista Giulia Pereira registrou a ocorrência e a repercussão do caso culminou com uma pausa na carreira do cantor.

 

“Eu ser simpática não dá abertura para ele nem para ninguém de fazer os comentários que ele fez. De me oferecer beijo, de perguntar se eu queria que ele me mostrasse a heterossexualidade dele, de me chamar de gostosa. Não existe isso. Nem em entrevista e nem em lugar nenhum”, desabafou a repórter.

 

Na época Biel afirmou que tudo não passou de um mal entendido, que era brincadeira Argumentos bastante usados para justificar práticas tão comuns entre muitos de nós. Mas, cuidado, o que era uma “brincadeira” pode se configurar como crime.

1

Apresentadora Ticiane Pinheiro conta episódio de assédio aos amigos. (Foto: Jornal Extra)

Segundo o Conselho Nacional de Justiça, o assédio é “uma manifestação grosseira, independente da vontade da pessoa a quem é dirigida e que pode ser configurado como crime, dependendo do comportamento do assediador”. Se o ato for agravado e tipificar como assédio sexual, a vítima têm até 6 meses para oferecer representação contra o agressor.

 

Já no caso mais comum, quando assédio é confundido com paquera, o ato é enquadrado como assédio verbal [artigo 61, da Lei das Contravenções Penais n. 3.688/1941]. O crime é cometido quando alguém diz coisas desagradáveis ou invasivas [como podem ser consideradas as famosas “cantadas”] ou faz ameaças. Apesar de ser considerado um crime-anão, ou seja, com baixo potencial ofensivo, também configura como uma forma de agressão e, por isso, deve ser coibido e denunciado.

 

Mas, afinal, qual o limite existente entre a paquera e o assédio? A linha pode parecer tênue para muitos homens, portanto, não há ninguém melhor que elas [mulheres] para nos ajudar a entender melhor os dois pólos.

 

O portal Barbearia Digital foi buscar informações sobre esse limite com a jornalista Nana Queiroz, diretora de redação da Revista AzMina. Para a jornalista, em publicação na revista, “é uma tristeza que, em pleno século 21, a gente ainda tenha que ensinar marmanjo como brincar de conquistar”.

 

Mas nós queremos aprender. Portanto, sendo bem didáticos, eis as diferenças, segundo elas:

arte barbearia digital -23

Barbeiro Digital