Assistimos: Logan

Despedida de Wolverine e Hugh Jackman do universo X-Men é trágica, ultraviolenta... e fascinante

Cultura e Educação
Data: 8 de março de 2017
arte barbearia digital -07

Quem viu o trailer promocional de Logan já tem uma boa ideia do clima denso que paira sobre o longa: um Charles Xavier senil fazendo companhia a um Wolverine envelhecido e frágil, ambos exilados, vivendo como fugitivos.

 

Até pouco tempo atrás, quem andava acompanhando os filmes da franquia X-Men desde o primeiro, em 2000, jamais poderia imaginar um desfecho tão melancólico para aqueles personagens.

 

A escola para mutantes dirigida por Charles parecia perfeita – dava até vontade de nascer com o gene X só para conseguir uma vaga por lá. O próprio mutante psíquico ostentava aquela aura de intocável sabedoria professoral, típica de personagens como o Gandalf, de O Senhor dos Anéis, e Yoda, de Star Wars. Quem apostaria que terminaria daquele modo, do tipo que usa fraldas?

 

E quanto a Wolverine [que, para quem não sabe, tem o nome de batismo Logan – daí o título]? O mais famoso mutante de sua turma é aqui um homem que busca desesperadamente um desfecho significativo para sua vida, além de – por que não – redenção. Velho e fora de forma, há muito não é mais o super soldado talhado sob medida para atacar e destruir.

 

Foto 1

 

O diretor James Mangold merece todos os créditos por conseguir fazer dessa situação desoladora algo de beleza ímpar – mesmo que levando a violência a extremos nunca antes vistos nas outras produções de X-Men. O filme consegue encantar e tocar mesmo com tanta mutilação, decapitação e sangue jorrando – que, entretanto, jamais chegam ao nível visceral. Há até espaço para cenas de humor [muitas]!

 

O trabalho de Hugh Jackman também é primoroso. De todas as interpretações de Wolverine que já fez [está é a sétima], a de Logan é de longe a melhor. A angústia, o rancor e o sofrimento exalados pelas feições do personagem parecem falar por si só em vários momentos.

 

A nosso ver, a performance de Jackman é digna de indicação ao Oscar – mas sabemos que não será; afinal, é filme de história em quadrinhos, infelizmente um gênero ainda esnobado pela Academia de Cinema [mesmo que venha produzindo algumas joias nos últimos tempos].

 

Se você é fã de X-Men e, principalmente, do Wolverine, não tenha medo de ver a decadência do personagem mostrada em Logan: porque, justamentedo momento mais difícil de sua trajetória fictícia, o homem-adamântio tirou o melhor filme de toda a franquia até aqui e, mesmo quem achava que não ia sentir saudades, vai acabar sentindo.

 

Confira o trailer:

Barbeiro Digital