Paralimpíada: contagem regressiva

Em setembro, mais uma vez, o Rio de Janeiro será o centro do mundo. Agora sediando a Paralimíada

Esporte
Data: 29 de agosto de 2016
arte barbearia digital -052

A Rio 2016 definitivamente deu certo. O Rio de Janeiro tornou-se palco do multiculturalismo e recebeu atletas e entusiastas dos esportes para uma edição que já está sendo considerada uma das maiores e mais bonitas da era moderna.

 

Missão cumprida, respiramos e já estamos prontos para mais uma maratona: os Jogos Paralimpícos [sim, o nome foi alterado para igualar o uso entre todos os países de Língua Portuguesa], que entram em cena entre os dias 07 e 18 de setembro.

 

Ao todo, 4.350 atletas de 160 países competirão em 22 modalidades.

 

O_GRID_A_01

 

Delegação Brasileira

 

         Em casa o Brasil conta com a maior delegação da história. Este ano participarão 285 atletas brasileiros. Destes 101 [35,4%] sofreram algum tipo de acidente, seja de carro, moto, com arma de fogo ou em locais de trabalho. As informações foram divulgadas pelo Comitê Paralímpico Brasileiro, com base em levantamento feito pela Agência Brasil, e revela os graves índices de acidentes no Brasil.

 

Um dos casos de atletas acidentados é o do ex-goleiro do São Paulo Futebol Clube Bruno Landgraf, atleta da vela adaptada, que chegou a vestir a camisa da Seleção Brasileira de futebol nas equipes Sub-17 e Sub-20. Em 2006, o jogador sofreu um acidente de carro na Rodovia Régis Bittencourt, em São Paulo, e teve um deslocamento na coluna, que o deixou tetraplégico.

 

Já o judoca Harley Arruda, que ganhou medalha de bronze nos dois últimos jogos Parapan-Americanos, perdeu a visão dos dois olhos em 1999, em um acidente com arma de fogo.

 

A delegação brasileira também é composta por 67 atletas que tiveram alguma doença que deixaram sequelas, como a poliomielite, que afetou 13 atletas. Um deles é o nadador André Brasil, que teve poliomielite aos três meses de idade. Como marca a doença o deixou com uma sequela na perna esquerda.

 

 

arte barbearia digital -053

 

 

Um embaixador que também é cantor

 

O Comitê Paralímpico divulgou no último sábado [27] a canção que promete embalar os atletas. A música foi uma parceria do craque Ronaldinho Gaúcho, embaixador paralímpico da Rio 2016, em parceria com os compositores e amigos Jhama e Pablo Luiz. A canção já está disponível para download no site do Comitê e, em breve, nas rádios e bibliotecas virtuais.

Segundo Gaúcho, a música “Eu sou do mundo, um vencedor”, teve como inspiração a garra, determinação, coragem e perseverança dos atletas paraolímpicos. “Fizemos essa música pensando nos atletas, para dar muita força e muito ânimo. Eles são mais que vencedores, são superatletas. Estarei na torcida“, afirmou o craque.

Confere a música tema aqui:

 

Barbeiro Digital