Você sabe como surgiu a SPFW?

Saiba um pouco mais sobre um dos maiores eventos de moda da América Latina, que, neste ano, chega à sua 40ª edição, em 20 anos de história

Estilo
Data: 14 de outubro de 2015
(Créditos: Fashion Bubbles)

Um cenário de moda sem conceito de “marca”, seguindo as tendências ditadas pelo mercado internacional. Assim era a moda no Brasil no final da década de 80. Nossas revistas de moda traziam editoriais que apenas seguiam o que as publicações internacionais ditavam, com nossas referências vindo principalmente do mercado europeu. Uma geração de promessas e talentos sem o devido espaço ou incentivo compunham os profissionais do país, porque aqui dentro, o que funcionava vinha de fora.

 

À brasileira

 

A moda genuinamente brasileira precisava se desenvolver mais e ficar menos dependente das tendências internacionais como único foco de referência. Em 1993, surgiu o Phytoervas Fashion, evento criado para explorar e dar visibilidade aos talentos brasileiros. O evento teve sua primeira edição transmitida pela MTV e aconteceria até 1998, contando com desfiles de estilistas novos e outros já consagrados no cenário nacional.

Em 1996, o empresário Paulo Borges acreditou que o cenário nacional finalmente estava pronto para uma semana de moda própria. Inspirado pelas maiores semanas de moda do mundo, ele idealizou e criou, juntamente com estilistas, fotógrafos e apoiadores, o Morumbi Fashion Brasil.

Em 2001, o evento receberia o nome que usa até hoje, São Paulo Fashion Week. Finalmente, os estilistas brasileiros tinham seu próprio espaço, entre eles, Alexandre Herchcovitch, estilista que se apresentou em todas as edições da SPFW desde 1997.

Ainda assim, não foram só eles que usufruíram da criação de uma semana de moda nacional, a SPFW é responsável também por lançar nomes de modelos mundialmente conhecidas hoje, como Isabeli Fontana e a top Gisele Bündchen. Além das top models, nas passarelas da São Paulo Fashion Week também desfilaram beldades como a apresentadora Xuxa e a cantora Ivete Sangalo.

 

O Morumbi Fashion Brasil, criado em 1996, viraria São Paulo Fashion Week, em 2001. (Créditos: Tunga)

O Morumbi Fashion Brasil, criado em 1996, viraria São Paulo Fashion Week, em 2001. (Créditos: Tunga)

 

Outras fronteiras

 

A São Paulo Fashion Week surgiu para expandir as fronteiras da moda como eram conhecidas, de uma vez por todas, a atividade foi inserida no mercado econômico e industrial do Brasil, sem falar na contribuição para a produção cultural do país, que conheceu um conceito de moda alegre, diversificada e criativa.

A moda em sim, apesar de cíclica, está em constante evolução, trazendo sempre mais novidades e tendências. Não é à toa que a própria SPFW tem, hoje, duas edições por ano, uma que apresenta a coleção primavera-verão, em março, e outra voltada para coleção outono-inverno, em outubro. Mas dos anos 90, quando marcas como Gucci e Versace começaram a entrar no país, para os dias de hoje, muita coisa mudou.

O antigo Morumbi Fashion conta, hoje, com investimentos de mais de R$ 5 milhões, atraindo cerca de 1 milhão de visitantes, frente às 300 pessoas que assistiam os 5 ou 6 desfiles por dia ainda na década de 90. Os desfiles, por sua vez, também aumentaram e, por consequência, aumenta também o número de estilistas que apresentam suas coleções.

 

Em 2015, a top Gisele Bündchen fez seu último desfile, pela SPFW. (Créditos: Divulgação)

Em 2015, a top Gisele Bündchen fez seu último desfile, pela SPFW. (Créditos: Divulgação)

 

Para além de números

 

Embora os números falem por si só, o reconhecimento que a São Paulo Fashion Week alcançou vai além deles. O evento que lançou e consagrou profissionais de diversas áreas, entre estilistas, modelos, produtores e fotógrafos, é o maior e mais importante da América Latina, estando lado a lado com algumas das maiores semanas de moda do mundo, como as de Paris, Milão e Nova Iorque.

Os 20 anos de história e o sucesso de uma semana de moda que chega a sua 40ª edição e conta com uma grande cobertura da imprensa nacional e internacional, demonstram que o país, cujo conceito de moda ainda está em desenvolvimento, esteve por um tempo deficiente desse tipo de incentivo à moda nacional.

Para longe da década de 90, a SPFW continua atraindo olhares, atenção, presenças de estilistas e espectadores dispostos a acreditar e a contribuir com o desenvolvimento de um fenômeno antes tão negligenciado, mas que tem achado uma agradável morada no Brasil.

Barbeiro Digital